Arquivo diário: 03/03/2016

Projetos Inovadores: Aprovado Programa de Trabalho para 2016 do 3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020

Foi aprovado ontem o Programa de Trabalho para 2016 do 3º Programa de Saúde 2014-2020.

Deste Programa de Trabalho salienta-se a existência de 7 projetos e mais de 25 ações de procurement. Podem ser beneficiários de projetos e procurement todas as entidades da área da saúde pública, como Hospitais, Universidades, Empresas, ONGs e as Autoridades Nacionais. Os projetos têm de envolver, no mínimo, parceiros de 3 entidades legais diferentes de 3 países e têm de ser inovadores.

Para usufruírem do critério de “utilidade excecional”, e receberem uma majoração de cofinanciamento de 80%, 60% do orçamento total deverá financiar pessoal e 30% do orçamento tem de ser alocado a Estados membro cujo PIB seja inferior a 90% da média europeia.

  1. Migrants’ health: Best practices in care provision for vulnerable migrants and refugees;
  2. Gathering knowledge and exchanging best practices on measures reducing underage drinking and heavy episodic drinking;
  3. Gathering knowledge and exchanging best practices to on measures to prevent illicit drug use in line with the minimum quality standards in drug demand reduction;
  4. Support to Member States and stakeholders to address the chronic disease challenge;
  5. European Reference Networks;
  6. Rare diseases – Support for new registries;
  7. Donor selection and protection.

Prevê-se a abertura de calls ainda este mês.

Não há calls for proposals no que diz respeito a joint actions, pois destinam-se a autoridades nacionais e são feitas por convite, nem aoperating grants (só em 2017).

Para mais informação consulte o documento.

Aberto Concurso para Assistentes Operacionais – Hospital Fernando Fonseca

Auxiliares de Acção Médica / Assistentes Operacionais (m/f)

BOLSA DE RECRUTAMENTO (Refª10/AAM/2016)

Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, E.P.E.
(Amadora)

O Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, E.P.E., pretende recrutar para Bolsa de Recrutamento, Auxiliares de Acção Médica na área da prestação de cuidados de saúde, em regime de Contrato por Tempo Indeterminado ou Contrato a Termo.

1 – Candidatura: As candidaturas deverão ser formalizadas no prazo de 5 dias úteis contados a partir da publicação do presente anúncio, entre os dias 03 e 10 de Março de 2016.

3 – Período de Trabalho: O período de trabalho é e 36 (trinta e seis) em horário rotativo;

4 – Formalização das candidaturas: Obrigatoriamente através de envio de curriculum vitae, até ao limite de 4 páginas, para o Hospital Prof Dr. Fernando Fonseca, EPE, para o mail recrutamento@hff.min-saude.pt com referência ao anúncio de recrutamento. Devem anexar os seguintes documentos:

  • a) Fotocópia do certificado das habilitações académicas, sendo que a habilitação mínima exigida é a escolaridade obrigatória;
  • b) Fotocópia do certificado do curso profissional de técnico auxiliar de saúde nos termos da Portaria n.º 1041/2010 de 07 de Outubro, caso o tenha adquirido;
  • c) Declaração (ões) da (s) entidade (s) empregadora (s) que comprove (m) o tempo de experiência profissional na área a que se candidata.

A Comissão de Avaliação pode solicitar aos candidatos os documentos que considere necessários para o processo de avaliação

5 – Método de seleção

1ª Fase: Avaliação Curricular

2ª Fase: Entrevista de Seleção para os candidatos com mais do que 9,5 valores.

6 – Afixação da lista de candidatos admitidos e excluídos

A lista de candidatos admitidos e excluídos será publicitada na página da internet do HFF,EPE recrutamento@hff.min-saude.

Veja todas as relacionadas em:

Tag Concurso para Assistentes Operacionais do Hospital Fernando Fonseca

Aberto Concurso para Coordenadores de Estudos de Ensaios Clínicos – CHUC

HomePage do CHUC

Foi publicado hoje, 03/03/2016, o aviso de abertura de um Concurso Coordenadores de Estudos de Ensaios Clínicos no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

O prazo para concorrer são 10 dias úteis. Termina a 16/03/2016.

Veja o Aviso de Abertura

Veja os Critérios de Seleção – Ata n.º 1

Veja o Requerimento de Candidatura

Todas as questões deverão ser colocadas ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Veja todas as publicações em:

Concurso para Coordenadores de Estudos de Ensaios Clínicos do CHUC

Concurso para TDT de Radiologia do CHVNGE: Lista de Candidatos Admitidos e Excluídos

Saiu a Lista de Candidatos Admitidos e Excluídos relativa ao Concurso para 3 Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica de Radiologia, no Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia / Espinho.

Veja a Lista de Candidatos Admitidos e Excluídos

Todas as questões deverão ser colocadas ao Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia / Espinho

Veja todas as relacionadas em:

Tag Concurso para TDT de Radiologia do CHVNGE

Concurso para TDT de Análises Clínicas e de Saúde Pública do IPO do Porto: Lista Unitária de Ordenação Final

CHLN Obteve 1,7 Milhões de Euros do FEDER para a Implementação do Processo Clínico Eletrónico

Logótipo do Centro Hospitalar de Lisboa Norte
Implementação global do Processo Clínico Eletrónico permite estender projeto a todos os serviços clínicos do CHLN.

O Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN) obteve aprovação, por parte da Agência para a Modernização Administrativa, da sua candidatura ao projeto “PCE – Processo Clínico Eletrónico”, o que vai permitir a implementação global da iniciativa, estendendo-a a todos os serviços clínicos do centro hospitalar.

Este projeto representa um investimento de três milhões de euros, sendo cofinanciado pelo FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional em 1,7 milhões de euros, no quadro da política de investimento definida pelo atual Conselho de Administração para esta área estratégica da instituição.

A implementação do Processo Clínico Eletrónico marca um novo ciclo de investimentos em sistemas de informação, orientado para a disponibilização de novas funcionalidades aplicacionais aos profissionais do CHLN.

Com este projeto, o Processo Clínico Eletrónico será estendido a todos os serviços clínicos do CHLN, com destaque para:

  1. Prestação de cuidados médicos em mobilidade, permitindo a qualquer profissional de saúde poder atuar, em qualquer momento e em qualquer local do CHLN, através de diversos dispositivos de acesso fixo e móvel (computadores, smartphones, tablets);Com este sistema, os médicos do CHLN terão acesso a um conjunto de informações, tais como: a sua lista de doentes, o histórico, o resumo clínico, as notas clínicas, diagnósticos, alertas e problemas, marcação de atos médicos, alta clínica nas diferentes áreas funcionais do hospital, à prescrição interna e externa de medicamentos, bem como à requisição e registo de Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica (MCDT);Pretende-se desenvolver um conceito de maior proximidade com os cidadãos, em que os diversos serviços partilharão um conjunto de informação relevante sobre os utentes do CHLN, ajustando as interações às necessidades de cada um, disponibilizando uma resposta única e maximizando a eficiência e a eficácia da prestação de cuidados médicos;
  2. Bloco Operatório Digital, que abrangerá os 10 blocos operatórios do CHLN, possibilitando a introdução informática dos registos referentes à anestesiologia e permitindo o acesso, no bloco, aos resultados clínicos da consulta de anestesia, à integração em tempo real com os cuidados intensivos, o acesso a protocolos anestésicos e de procedimentos, bem como a funcionalidades de extração de dados estatísticos para análise de gestão clínica;
  3. Desmaterialização dos Laboratórios Clínicos, que irá integrar os processos, equipamentos e aplicações dos laboratórios num sistema único. Nesta candidatura, agora aprovada, será desmaterializado o funcionamento dos Laboratórios de Neuropatologia e de Neurologia;
  4. Segurança e certificação: serão reforçadas as medidas de segurança tendentes a permitir o funcionamento ininterrupto dos sistemas e a salvaguarda da informação, nomeadamente os registos clínicos. O acesso à informação será feito de forma mais fácil e segura, através da utilização do cartão do cidadão como meio de autenticação. As atividades informáticas relacionadas com o processo clínico eletrónico serão objeto de certificação de acordo com a norma ISO 20000.

O Processo Clínico Eletrónico envolve cerca de 60 serviços clínicos. Para além das necessidades de cablagens e computadores pessoais, é também necessário efetuar parametrizações específicas para muitos serviços e familiarizar os profissionais de saúde com as novas funcionalidades aplicacionais. É um processo longo e com várias dimensões de complexidade, cuja conclusão, a um ritmo de implementação de dois serviços por mês, perspetiva-se para o ano de 2018.

Este é em suma, um processo que envolve o desenvolvimento de trabalho em várias áreas: os profissionais médicos a trabalharem com o desktop médico, os profissionais de enfermagem a trabalharem com o desktop de enfermagem, a consolidação do circuito da prescrição com protocolos diferenciados e de acordo com critérios específicos e que assume um papel verdadeiramente inovador num centro hospitalar universitário de referência, facilitando os procedimentos associados à prestação de cuidados médicos diferenciados, com maior eficácia, segurança e qualidade, resultando em significativos ganhos em saúde.

Relatório: Portugal – Doenças Oncológicas em Números 2015 – DGS

Portugal - Doenças Oncológicas em Números 2015

A mortalidade por cancro desceu ligeiramente, no último ano, quando avaliada a mortalidade padronizada, ou seja, descontando o efeito de envelhecimento da população, revela o relatório “Portugal – Doenças Oncológicas em Números 2015”, hoje apresentado pela Direção-Geral da Saúde. No entanto, o mesmo documento sublinha o peso das doenças oncológicas tanto em carga de doença como nos encargos dos cuidados associados.

De uma forma global, assistiu-se, em 2014, a uma melhoria na acessibilidade dos doentes aos tratamentos oncológicos registando-se, em simultâneo, um aumento do número de cirurgias efetuadas no período em análise.

Em termos de comparação com outros países europeus, verifica-se que a mortalidade por doença oncológica situa-se abaixo da média europeia, beneficiando Portugal de um histórico menor consumo de tabaco, a que corresponde uma menor taxa de cancro do pulmão e de mortalidade associada. Ainda assim, o cancro do Pulmão é o mais letal em Portugal, sendo responsável por 3 927 óbitos verificados em 2014.

Outras das preocupações expressas no relatório apresentado prende-se com o cancro colo-retal. O aumento verificado nesta doença motiva o Programa Nacional para as Doenças Oncológicas a defender a generalização do programa de rastreio a todo o país.

Consulte o relatório “Portugal – Doenças Oncológicas em Números 2015”

Informação do Portal da Saúde:

Doenças Oncológicas em Números – 2015
Pormenor da capa do relatório

DGS apresentou, dia 3 de março, o relatório “Portugal – Doenças Oncológicas em Números 2015”.

O relatório “Portugal – Doenças Oncológicas em Números 2015” foi apresentado no dia 3 de março pela Direção-Geral da Saúde, no âmbito do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas.

De acordo com o documento, a transformação epidemiológica da Oncologia tem levado a um crescimento progressivo do número de novos casos anuais e a um aumento da idade média da população afetada. O aumento de incidência deve-se maioritariamente aos ganhos de esperança de vida da população portuguesa. As modificações dos estilos de vida, para além de influenciarem as variações de incidência, contribuem para mudanças relativas entre as diversas neoplasias. A conjunção destes dois fatores tem vindo a levar a correções em alta, das previsões de evolução de incidência.

A capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem permitido acomodar a maioria das novas solicitações. Foram elaboradas, em 2015, três redes de referenciação de especialidade hospitalar com influência determinante na oncologia: Oncologia Médica, Radio-Oncologia e Hematologia Clínica. O cancro é uma das doenças do futuro (e do presente) que para além duma perspetiva clínica multidisciplinar, reclama uma abordagem política e social concertada, que se estende para além dos muros das estruturas de saúde.

O relatório defende que a Oncologia tem um peso crescente no país, tanto em carga de doença como no peso dos cuidados associados.

A mortalidade por cancro desceu ligeiramente, no último ano, quando avaliada a mortalidade padronizada, ou seja, descontando o efeito de envelhecimento da população.

Na globalidade, o SNS tem conseguido acomodar as necessidades dos doentes, com mais produção cirúrgica e mais tratamentos oncológicos. Há a registar um discreto aumento da mediana do tempo de resposta para cirurgia, mas com melhor resposta nos extremos, ou seja, melhoria da resposta global.

O aumento da despesa com medicamentos é preocupante, particularmente com os novos fármacos. A necessidade de monitorizar, de forma sistemática, a efetividade terapêutica dos mesmos, é indispensável para conseguir aferir os ganhos reais em saúde, face ao custo crescente dos mesmos. Esta monitorização deve ser realizada através do registo oncológico nacional, instrumento que carece de implementação.

Em termos de comparação com outros países europeus, verifica-se que a mortalidade por doença oncológica situa-se abaixo da média europeia, beneficiando Portugal de um histórico menor consumo de tabaco, a que corresponde uma menor taxa de cancro do pulmão e de mortalidade associada. Ainda assim, o cancro do pulmão é o mais letal em Portugal, sendo responsável por 3.927 óbitos verificados em 2014.

Outras das preocupações expressas no relatório apresentado prende-se com o cancro colo-retal. O aumento verificado nesta doença motiva o Programa Nacional para as Doenças Oncológicas a defender a generalização do programa de rastreio a todo o país. Só apostas na prevenção poderão modificar sensivelmente o atual panorama.

Neste contexto, o relatório exibe várias recomendações:

  • Maior investimento na prevenção; promoção de estilos de vida saudáveis;
  • Promover a literacia da população, tanto dos cidadãos em geral, como dos doentes e cuidadores;
  • Monitorizar e estudar assimetrias regionais, para objetivar causas e identificar eventuais pontos de intervenção;
  • Promover a igualdade inter-regional, no acesso aos rastreios oncológicos;
  • Generalizar o programa de rastreio do cancro colo-retal;
  • Monitorizar a efetividade terapêutica de novos fármacos e intervenções, através da implementação do registo oncológico nacional.

Veja o Relatório: Portugal – Doenças Oncológicas em Números 2015