Nomeado Vice-Presidente do Conselho Diretivo da ARS Norte

Médicos: Ciclos de Estudos Especiais em Doenças Alérgicas Pediátricas e Infeciologia Pediátrica – CHLN

Aposentações Entre 1 de Outubro e 31 de Dezembro de 2014 – ARS Algarve

Lista da Distribuição de Estagiários do Programa de Estágios Profissionais na Administração Local

Metodologia de Avaliação da Qualidade do Ar Interior em Edifícios de Comércio e Serviços

A Portaria 353-A/2013, de 4 de dezembro, relativa à ventilação e qualidade do ar interior (QAI), determina que a fiscalização da QAI, em grandes edifícios de comércio e serviços, deva ser efetuada pela Inspeção Geral do Ambiente e Ordenamento do Território (IGAMAOT) e de acordo com metodologia a estabelecer pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Os operadores dos edifícios de comércio e serviços que voluntariamente pretendam proceder à avaliação da QAI nas suas instalações, para que a mesma releve para efeitos de fiscalização, devem recorrer a laboratórios que apliquem a metodologia ora estabelecida.

Veja aqui o documento.

Documento DGS: Dados Sumários Sobre A Saúde dos Portugueses

A propósito do Dia do Doente, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a Saúde dos Portugueses.

Veja aqui todo o documento.

Veja o resumo do documento:

«A Saúde dos Portugueses

A propósito do DIA DO DOENTE, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a SAÚDE DOS PORTUGUESES.
Em termos de evolução 2008-20141, o quadro 1 resume os principais indicadores de saúde. Estes exibem uma tendência positiva, pese embora os múltiplos desafios decorrentes da conjuntura socioeconómica e da transição demográfica.
A taxa de mortalidade infantil1 voltou a descer para 2.85 por mil nados vivos e a taxa de mortalidade materna persiste com valores que colocam Portugal na linha da frente em termos mundiais, 8 por 100 mil nados vivos.
Já a morte prematura constitui um desafio que não pode ser ignorado. Aliás, Portugal assumiu o compromisso, no contexto da “Saúde 2020” de baixar a taxa percentual atual de 22,6% (estimativa provisória de 2014), para valores inferiores a 20% até à meta referida. Há, ainda, muitos portugueses que morrem antes de tempo e que não festejam 70 anos de idade, apesar da melhoria recente quando comparada com anos anteriores.
No que respeita à esperança média de vida, as diferenças de género que se verificam, calculada quer à nascença, quer aos 65 anos de idade, mantêm uma tendência de estabilidade ou ligeiramente decrescente. A melhoria desta questão carece de medidas estratégicas adequadas.
Os quadros seguintes apontam valores estimados para indicadores que constam do dashboard da saúde2, permanentemente acessível e atualizado todos os meses no site da DGS. »

Veja aqui todo o documento.

Veja a informação do Portal da Saúde:

« A propósito do Dia do Doente, a Direção-Geral da Saúde publica dados sumários sobre a Saúde dos Portugueses, que apresentam os principais indicadores de saúde, nomeadamente, em termos de evolução 2008-2014.

De acordo com os dados, a taxa de mortalidade infantil voltou a descer para 2.85 por mil nados vivos e a taxa de mortalidade materna persiste com valores que colocam Portugal na linha da frente em termos mundiais, 8 por 100 mil nados vivos.

Em relação à morte prematura, há, ainda, muitos portugueses que morrem “antes de tempo” e que não atingem os 70 anos de idade, apesar da melhoria recente quando comparada com anos anteriores. A este propósito, Portugal assumiu o compromisso, no contexto da “Saúde 2020” de baixar a taxa percentual atual de 22,6% (estimativa provisória de 2014), para valores inferiores a 20% até à meta referida.

No que respeita à esperança média de vida, as diferenças de género que se verificam, calculada quer à nascença, quer aos 65 anos de idade, mantêm uma tendência de estabilidade ou ligeiramente decrescente. A melhoria desta questão carece de medidas estratégicas adequadas. »

Veja aqui todo o documento.