Última Hora: Há um novo Sindicato na Enfermagem: Foram Publicados os Estatutos da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros – ASPE

Foi hoje, 30/06/2017, publicado o Boletim do Trabalho e do Emprego n.º 24/2017 de 29 de Junho, nele constando os Estatutos da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros – ASPE.

A Enfermagem e as Leis tomou conhecimento deste novo Sindicato pela nossa leitura regular e habitual do Boletim do Trabalho e do Emprego, pelo que todas as questões deverão ser colocadas à Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros – ASPE e / ou aos elementos da Comissão Instaladora.


Destaques:

«(…) A ASPE abrange os profissionais de enfermagem legalmente inscritos na Ordem dos Enfermeiros (…)»

« (…) A ASPE tem a sua sede em Ovar. (…) A ASPE exerce a sua atividade em todo o território nacional. (…)»

«(…) É vedada a inscrição na ASPE aos profissionais de enfermagem que tenham ao seu serviço outros trabalhadores congéneres. (…)»

«(…) O exercício dos cargos associativos é gratuito, com exceção dos cargos da direção que poderão ser remunerados quando exercidos a tempo completo. (…)»

«Artigo 73.º

Comissão instaladora

1- Por deliberação dos presentes na assembleia constituinte de 18 de Maio de dois mil e dezassete foi eleita a comissão instaladora da ASPE constituída por:

a) Lúcia Maria Colaço Oliveira Leite;

b) Filomena Laurinda Barbosa da Silva Maia;

c) Francisco José Madeira Mendes;

d) Nelson Manuel de Lima Ferreira;

e) Graça Maria Nunes Silva Silveira Machado;

f) Celinia Miguel Antunes;

g) Patrícia Alexandra Martinho Bastos de Carvalho.

2- O mandato da comissão instaladora cessa com a investidura dos órgãos nacionais da ASPE.»

Publicado nº 2 da Revista da DGS «Portugal em Números» – Número temático: Dengue

«Quando publicámos o número 1 desta revista científica – Portugal Saúde em Números – ocorreu-nos a edição de um número temático.

A ocorrência do surto de Dengue na Região Autónoma da Madeira era recente configurando-se, à data, um tema apelativo e atual. Apesar do hiato temporal já decorrido, é particularmente gratificante que consigamos agora ter um registo do que aconteceu, do que exemplarmente foi feito, e apontar caminhos para o que poderia, eventualmente, ter sido feito adicionalmente.

Este é um relato de alguns profissionais de saúde que tiveram diretamente envolvidos no surto; que representam os muitíssimos que estiveram de facto “no terreno” na Região Autónoma da Madeira e na retaguarda.

Saiba mais…»