Arquivo de etiquetas: Inovação

Inovação | Doenças Cardiovasculares: Modelo Matemático Simula Libertação de Fármaco a Partir Dos “Stents” de Última Geração

Modelo matemático desenvolvido por investigadores de Coimbra

Um modelo matemático que simula a libertação do fármaco a partir dos “stents” de última geração, “ferramenta que poderá ter impacto na cardiologia de intervenção”, foi desenvolvido por investigadores da Universidade de Coimbra (UC).

Uma equipa de investigadores da UC desenvolveu um modelo matemático que simula a libertação do fármaco a partir dos “stents” de última geração, os denominados drug-eluting stents (DES, stents de libertação de fármacos), uma ferramenta que poderá ter impacto na cardiologia de intervenção, divulgou a UC.

O modelo foi desenvolvido por uma equipa de investigadores do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), em colaboração com o serviço de cardiologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)/polo dos Covões.

Os drug-eluting stents (DES), também conhecidos como “stents” farmacológicos, são dispositivos médicos utilizados na desobstrução de artérias.

O que distingue os DES dos “stents” convencionais é o facto de “a estrutura metálica ser revestida por um material polimérico, em que é disperso um fármaco antiproliferativo, que é posteriormente libertado, evitando, ou pelo menos limitando, a posterior ocorrência de reestenose (reoclusão) no vaso intervencionado”, refere a UC, em comunicado.

O comportamento dos DES, isto é, a distribuição ao longo do tempo do fármaco libertado nas paredes do vaso, é determinado por uma complexa combinação de fenómenos que dependem das propriedades do polímero, das propriedades do fármaco e da situação clínica do paciente, em particular do estado clínico das paredes do vaso sanguíneo intervencionado.

É por essa razão que o modelo desenvolvido pela equipa do Departamento de Matemática, constituída pelos investigadores José Augusto Ferreira, Maria Paula Oliveira e Jahed Naghipoor, em colaboração com Lino Gonçalves, Diretor do Serviço da Cardiologia do CHUC, pode assumir um papel preponderante, sublinha a UC.

O modelo permite a introdução de parâmetros que caracterizam a situação clínica do paciente, como, por exemplo, a viscosidade do sangue e a geometria e composição da placa aterosclerótica.

Uma vez personalizado o quadro clínico, o conjunto de equações que constituem o modelo simula a distribuição de fármaco, ao longo dos meses subsequentes à implantação do “stent”, assim como algumas características da circulação sanguínea na região de implantação, para cada paciente individual.

De acordo com a UC, as informações fornecidas pelo modelo podem constituir “uma importante ferramenta de apoio à decisão clínica, possibilitando a definição de estratégias terapêuticas para prevenir o aparecimento da reestenose”.

O trabalho, publicado na revista científica Mathematical Biosciences, foi desenvolvido ao longo de quatro anos.

A modelação matemática do acoplamento “in vivo”, de um stent e de um vaso sanguíneo, revelou-se uma tarefa de elevada complexidade porque o processo depende de múltiplos fenómenos interdependentes como as características da degradação do revestimento polimérico do stent, a cinética do fármaco na matriz polimérica, a sua difusão na parede do vaso sanguíneo e a influência das propriedades fisiológicas da parede do vaso.

“O sucesso do trabalho que desenvolvemos deve-se à estreita colaboração e ao constante diálogo interdisciplinar entre os matemáticos da equipa e o cardiologista Lino Gonçalves”, afirma José Augusto Ferreira, citado pela UC.

Agora, pretende-se completar o modelo, “através da criação de um novo algoritmo que tenha também em atenção a proliferação celular que ocorre durante a reestenose”, acrescenta o investigador.

Seguir-se-á “a validação do modelo, que se baseará na casuística do Serviço de Cardiologia” e, concluída esta fase, será disponibilizada “uma plataforma computacional a ser utilizada em ambiente hospitalar”, adianta ainda José Augusto Ferreira.

Para saber mais, consulte:

Inovação em Cardiologia: Nova técnica trata arritmias cardíacas no serviço de cardiologia de Vila Real

O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) anunciou que dispõe de uma nova valência para a realização de estudos eletrofisiológicos, permitindo tratar de forma invasiva alguns tipos de arritmias cardíacas.

Esta técnica foi iniciada no final de dezembro de 2016, no Serviço de Cardiologia da Unidade de Vila Real do CHTMAD, e vai permitir tratar doentes provenientes de toda a região de Trás-os-Montes e concelhos do Douro Sul, evitando a deslocação dos mesmos para um centro de referência no Porto.

Trata-se de procedimentos com elevada diferenciação técnica, que consistem na aplicação de estímulos elétricos e execução de técnicas de mapeamento ou ablação, efetuadas dentro da própria cavidade cardíaca, através da introdução de diversos cateteres. É assim possível determinar o mecanismo exato e eliminar muitas das arritmias mais complexas.

A realização deste procedimento pode, ainda, atenuar efeitos indesejáveis de medicamentos agressivos, bem como complicações graves a que as arritmias em questão dão origem.

O CHTMAD informou ainda que já existe programação para 2017, no que respeita à prossecução regular destes estudos na unidade hospitalar.

A referenciação para o Serviço de Cardiologia e Unidade de Cuidados Intensivos Coronários (UCIC) deste Centro Hospitalar abrange de forma direta 430.000 doentes e é através de inovação, empenho e dedicação que consegue oferecer à população cuidados de saúde diferenciados.

Visite:

Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro  – http://www.chtmad.min-saude.pt

Projeto Usado no HFF Recebe Prémio de Inovação: Manipulação de Imagens 3D na Cirurgia

Projeto usado no HFF recebe prémio de inovação

O Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) divulga que o processo que permite a manipulação de imagens 3D durante a cirurgia, prática testada naquele hospital, foi reconhecido com o primeiro lugar do prémio Fraunhofer Portugal Challenge 2016.

Designado por IT-MEDEX, o processo “inovador” resulta de uma parceria entre o Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca e o Instituto Superior Técnico.

Desenvolvida no âmbito de um mestrado em Engenharia Biomédica, a plataforma IT-MEDEX permite uma melhor visualização de imagens do corpo humano e uma mais eficaz manipulação dessas imagens, de acordo com as necessidades clínicas.

O autor do projeto, Pedro Parreira, mestrando do Instituto Superior Técnico, revelou entretanto que este protótipo “permite conhecer melhor as particularidades do corpo humano” e, através de imagens 3D, dar um conhecimento mais realista do doente que está a ser intervencionado.

O prémio Fraunhofer Portugal Challenge visa galardoar os melhores trabalhos científicos desenvolvidos por estudantes ou investigadores de universidades portuguesas nas áreas das tecnologias de informação e comunicação, multimédia e outras ciências semelhantes.

Visite:

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca  – http://www.hff.min-saude.pt/

Logo Diário da República

Alteração ao Regulamento do Subsistema de Incentivos para a Qualificação e Inovação – Região Autónoma dos Açores

Republicação a partir da página 5 do documento.

Prémio Boas Práticas em Saúde 2016 10.ª Edição: “SNS vs Inovação – Horizontes Futuros”

Logótipo do Prémio Boas Práticas em Saúde
“SNS vs Inovação – Horizontes Futuros” é o tema escolhido para a 10.ª edição Prémio Boas Práticas em Saúde.
A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar (APDH), em conjunto com a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) e a Direção Geral de Saúde (DGS), estão a organizar a 10.ª edição do Prémio Boas Práticas em Saúde, programa que conta ainda com a parceria das Administrações Regionais de Saúde.

“SNS vs Inovação – Horizontes Futuros” é a temática escolhida para a edição de 2016, orientada segundo três eixos principais: desigualdades em saúde; qualidade e segurança do doente; comunidade e gestão da doença crónica.

A apresentação de candidaturas ao prémio está agendada para o período decorrente entre 1 de abril e 16 de maio, sendo que o Encontro de Boas Práticas em Saúde e o 6.º Congresso Internacional dos Hospitais estão previstos para ter lugar de 23 a 25 de novembro de 2016.

Enraizado desde 2002, o prémio pretende dar a conhecer as boas práticas, com vista a replicar as mais-valias para o bom desempenho do Sistema de Saúde.

Para saber mais, consulte:

Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar > Prémio Boas Práticas em Saúde

10ª Edição do Prémio de Boas Práticas em Saúde | Encontro
Data:

Quarta-feira, 23 Novembro, 2016 (todo o dia)

1. Temática do ano:
 

“SNS Vs Inovação – Horizontes futuros”

Áreas dentro da temática:

  • Desigualdades em saúde
  • Qualidade e segurança do doente
  • Comunidade e gestão da doença crónica
2. Período de apresentação de candidaturas
          1 de abril a 16 de maio de 2016

3. Calendário das etapas do PBPS

  • 1 de abril a 16 de maio de 2016 – Receção e validação das candidaturas (APDH)
  • 17 de maio a 31 de maio de 2016 – Pré-seleção (ARS, Direções Regionais de Saúde das Regiões autónomas dos Açores e da Madeira ou Direção-Geral da Saúde)
  • 1 de junho a 12 de agosto de 2016 – Avaliação científica – documental e in loco (Comissão Científica)
  • 6 de setembro a 4 de outubro de 2016 – Comunicação dos resultados (APDH)
4. Data de realização do Encontro de Boas Práticas em Saúde
  • 23 a 25 de novembro de 2016 (Encontro do Prémio de Boas Práticas em Saúde e 6º Congresso Internacional dos Hospitais)

5. Contactos

Para qualquer informação e/ou comunicação, os candidatos devem utilizar os seguintes contactos:

Nível Nacional

Coordenação (APDH) – Adelaide Brissos

Email: pbp@apdh.pt
Telemóvel: 963 668 745 
Telefone: 217 548 278 

Informação do site da ACSS:

10.ª edição Prémio Boas Práticas em Saúde

A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Hospitalar (APDH), em conjunto com a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) e a Direção Geral de Saúde (DGS), estão a organizar a 10ª edição do Prémio Boas Práticas em Saúde, programa que conta ainda com a parceria das Administrações Regionais de Saúde (ARS). “SNS vs Inovação – Horizontes Futuros” é a temática escolhida para a edição de 2016, orientada segundo três eixos principais: desigualdades em saúde; qualidade e segurança do doente; comunidade e gestão da doença crónica.

A apresentação de candidaturas ao prémio está agendada para o período decorrente entre 1 de abril e 16 de maio, sendo que o Encontro de Boas Práticas em Saúde e o 6.º Congresso Internacional dos Hospitais estão previstos para ter lugar de 23 a 25 de novembro de 2016.

Enraizado desde 2002, o prémio pretende dar a conhecer as boas práticas, com vista a replicar as mais-valias para o bom desempenho do Sistema de Saúde.

Inscrição Gratuita: Conferência “Os Caminhos da Inovação. Envelhecimento Saudável” – DGS

Informação para Conhecimento de todos os Estabelecimentos de Saúde. E profissionais de saúde.

«O Encontro de Boas Práticas em Saúde e a Conferência têm como destinatários: Dirigentes da área da Saúde, Médicos, Enfermeiros, Técnicos e outros Profissionais da área da Saúde, Administradores Hospitalares, Docentes Universitários com interesses na área da Saúde, Investigadores, Estudantes de licenciatura e pós-graduação em Ciências da Saúde, Representantes da Indústria Farmacêutica e das Tecnologias da Saúde, Dirigentes e profissionais de IPSS e outras Instituições sociais com atividade na saúde, Dirigentes e profissionais de Instituições públicas ou privadas com parcerias com a saúde, Associações de doentes e Cidadãos interessados, bem como profissionais de outras Instituições, com parcerias com a saúde, Associações de doentes e Cidadãos interessados.

A inscrição no Encontro e na Conferência são gratuitas. Caso pretenda inscrever-se deverá
efetuar o registo através do website http://apdh.xyz/inscricao/ .»

Informação no 008/2015 DGS de 26/11/2015
Encontro da 9.ª edição do Prémio de Boas Práticas em Saúde®.
Conferência “Os Caminhos da Inovação. Envelhecimento Saudável”.